sexta-feira, 18 de julho de 2008

Minha alma...



Um tanto quanto quieta,
Talvez, alma solitária,
Corpo de princípios calados,
Bloqueada por lapsos repentinos...

Renasço de cinzas densas,
De um arder do fogo gélido...
Revelo a inspiração ausente,
Tracando letras no papel envelhecido.

O amor no canto esquiva-se,
Chora sem tal saída,
Suplica ao mundo silente,
Sensíveis marcas cicatrizam-se...

Sou do mar incessante,
Sou da luz que cega ao longe,
Sou de murmúrios inquietos,
Sou de vida abençoada...

Abro os olhos ainda selados,
Entrego-me à eu mesma,
Sou vítima de meus receios,
Mas sou única, uma vencedora!
.
.
.
.
Imagem: Autor Desconhecido

12 comentários:

Cadinho RoCo disse...

Só esqueceu do que peço permissão para completar: Você é linda.
Por isso, deixe de querer encontrar o sal do mar e entregue-se só ao saboreio dele, de suas marés incessantes, porque a vida não pára, não pára e não pára mesmo. Vem ser onda porque cá estou à espera do seu estrondo.
Cadinho RoCo

pintorpereza disse...

Yo no sé portugués, pero de todas formas, lo que he entendido de tu poema, me ha encantado, especialmente la primera estrofa.

Saludos,

Víctor, Chile

Paulo R Diesel disse...

A inspiração voltou e os poemas fluem tão naturalmente que nos tiram o fôlego.
Gostei muito.

Bj. Giulia

Fernando Santos (Chana) disse...

Olá Giulia, poema muito bom...Espectacular...
Beijo

Lia Noronha disse...

Giulia: inquietações de uma menina...que deixará uma mulher florescer...com muito encanto e poesia!
Abraços mil!!!

Jôji disse...

Lindo texto novamente *--*
A imagem também, "pena que é de autor desconhecido"

ueheuheuheuhueheu!
Hahá, dessa vez não cometi gafe viu?!

Ricardo Rayol disse...

e só evolui...

FB disse...

Quem conhece a sua ignorância revela a mais profunda sapiência. Quem ignora a sua ignorância vive na mais profunda ilusão.

Maldito disse...

Parabesn pelas palavras punjentes,...
Adorei

Inté!

O Profeta disse...

Ler-te é um processo de profundos sentires...


Doce beijo

Nilson Barcelli disse...

"Corpo de princípios calados,
Bloqueada por lapsos repentinos..."

Gostei de todo o poema, mas esta parte encantou-me, porque revela a sua criatividade poética apesar de tão nova.

Beijinhos.

fgiucich disse...

Renacer en medio de los recuerdos es una hermosa metáfora del amor. Abrazos.